terça-feira, 18 de novembro de 2014

Avaliação do Regional SUL 1 Referente ao Seminário Nacional de Iniciação à Vida Cristã




As experiências relatadas com análise da mesma nos grupos permitiu, perceber que no processo de Iniciação sempre, teremos elementos novos a serem agregados, não há um ponto final.

Contudo, houve momentos no decorrer do seminário que ainda, repetimos “velhas” fórmulas de querermos receitas prontas, com tudo organizado. Refletimos que faz se necessário nos abrirmos para a experiência do sentir e isto, deve ser realizado com cuidado e devagar.

O seminário com seu formato ousado, nos instigou a ousar. Devemos ter a ousadia de buscar e realizar o novo a partir dos elementos que possuímos através do diálogo fraterno com a comunidade, não deixando a responsabilidade absoluta com a catequese, pois, a iniciação é maior que esta. Vale nos perguntarmos como as demais pastorais estão trabalhando a questão da iniciação.

No Regional Sul 1 podemos constatar inúmeros trabalhos com a iniciação, cada um em seu tempo e ritmo e, refletindo a luz dos relatos apresentados, os trabalhos realizados nas diversas Igrejas deste Regional, constatamos que, estamos laçando as sementes, como um bom semeador deve fazer.

O ITINERÁRIO

Compreendemos que com o itinerário a questão das pastorais (setorização/divisão) desaparecem e que a comunidade como um todo, deve estar a serviço da iniciação e neste Regional já podemos encontrar dioceses onde as formação catequéticas não encontramos só a pastoral da catequese.

Porém sentimos que ainda há grandes desafios a serem superados especialmente por partes dos padres que ainda não compreenderam a abrangência da iniciação à vida cristã.

O presente itinerário nos auxilia a superar a visão fragmentada das pastorais e que uma conversão pastoral é uma necessidade urgente em nossa Igreja e que deve ser realizada com muita paciência, perseverança sem deixar de levar em consideração a realidade local da comunidade e da família.

Assim, invocando uma Igreja missionária, incentivando a Animação Bíblico-Catequética, integramos as diversas pastorais, inclusive a pastoral familiar (porque neste processo de iniciação envolvemos as famílias), para estarem a serviço da iniciação à Vida Cristã.


Programação para o ano de 2015 da Comissão para Animação Bíblico-Catequética– CNBB/SUL 1


1 - Reunião da Equipe de Coordenação
OBJETIVO: Articular e acompanhar Animação Bíblico-Catequética garantindo a unidade e a comunicação das dioceses do Regional Sul 1 e a sintonia com objetivos, ações e prioridades assumidas em nível nacional
LOCAL: Residência Episcopal – Limeira/SP
DATAS: 10/03; 12/05; 09/06; 24/07; 08/09; 10/11 - Horário: 09h00 às 12h00.
DESTINATÁRIOS: Coordenadores das Sub-regiões.

2 - Encontro de Padres Assessores Diocesanos
OBJETIVO: Dinamizar a Animação Bíblico-Catequética no Regional em vista de uma caminhada pastoral de conjunto ; refletir sobre a importância da assessoria dada pelos padres em cada diocese.
LOCAL: Vila D. Bosco - Av. Frei Orestes Girardi, 01 Vila Abernéssia - Campos do Jordão - SP
DATA: 12-14/05 - Horário: início 12h00 do dia 12/maio.
DESTINATÁRIOS: Padres assessores diocesanos.

3 - Escola Regional de Animação Bíblico – Catequética
OBJETIVO: Favorecer a formação bíblico-catequética das equipes diocesanas estimulando a dedicação na formação de novos catequistas, discípulos missionários
LOCAL: Casa Santa Fé – Anhanguera - São Paulo/SP
DATA: 07-10/07/2015 - Horário: início 12h00 do dia 07 de julho.
DESTINATÁRIOS: Catequistas das equipes diocesanas.

4 – Assembleia Regional de Animação Bíblico – Catequética
OBJETIVO: Garantir a unidade com os projetos da CNBB e do Regional; Suscitar troca de experiências entre dioceses, o intercâmbio de material, programas de formação.
Local: Casa Santa Fé – Anhanguera - São Paulo/SP
DATA: 10-12/07 - Horário: início 18h00 do dia 10 de julho.
DESTINATÁRIOS:05 catequistas de cada Diocese do Regional

5 - Catequese Junto à Pessoa com Deficiência
OBJETIVO: Garantir a unidade com os projetos da CNBB e do Regional na busca de superação dos desafios e de uma catequese apropriada em recursos, conteúdos e catequistas com preparação especifica.
LOCAL: Residência Episcopal – Limeira/SP
DATAS: 14/03; 16/05; 08/08; 10/10; 05/12 - Horário: 09h00 às 12h00.
DESTINATÁRIOS: Equipe Regional da Catequese Junto à Pessoa com Deficiência

6 - Reunião da Equipe Regional da Catequese – Confraternização
OBJETIVO: Favorecer um momento de avaliação e confraternização da Equipe Regional.
LOCAL: a ser definido.
DATA: 08/12 - Horário: início 10h00
DESTINATÁRIA: Equipe Regional da Catequese

7 – Encontro dos coordenadores Regionais da CNBB
OBJETIVO: Encontro dos bispos referenciais, coordenações regionais e representantes dos grupos da Comissão para a Animação Bíblico-Catequética.
LOCAL: a ser definido pela equipe da CNBB nacional.
DATA: 26-28/02 – Brasília, DF

DESTINATÁRIOS: Bispo Referencial e Coordenador do Regional Sul 1.

8- Grupos da Pastoral dos Surdos
OBJETIVO: Nos encontros das Sub-regiões para acompanhamento dos Surdos, favorecendo o intercambio, assessoria nos cursos de libras e apoiando os Grupo de Pastoral com Surdos no Regional Sul 1.
ENCONTROS: sempre junto com a CJPD: Local - Residência Episcopal – Limeira/SP
DATAS: 14/03; 16/05; 08/08; 10/10; 05/12 - Horário: 09h00 às 12h00.
EVENTOS: Encontros Sub-regionais e Romaria dos surdos
DESTINATÁRIOS: Agentes da Past. Dos Surdos

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Sinais concretos da IVC estimulam renovação da Igreja


O Seminário Nacional de Iniciação à Vida Cristã, encerrado neste domingo, dia 9, teve o grande mérito de mostrar aos mais de 200 participantes como estão se desenvolvendo as experiências de implantação da catequese com inspiração catecumenal em diversas regiões do País. Para o presidente da Comissão Episcopal Pastoral para Animação Bíblico-Catequética da CNBB, Dom Jacinto Bergman, o encontro revelou a acolhida do Brasil a essa nova metodologia. “Estamos otimistas com os sinais concretos da iniciação à vida cristã no Brasil apresentados neste seminário. Esta é uma proposta de renovação da Igreja a partir da paróquia”.

Organizado pela Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-Catequética da CNBB, o seminário foi realizado de 6 a 9 de novembro em São Caetano do Sul (SP), na Matriz Sagrada Família, Diocese de Santo André, reunindo representantes dos 18 regionais da CNBB. Sob o lema “Quanto a nós, não podemos deixar de falar sobre o que vimos e ouvimos” (Atos 4,20), o encontro teve por objetivo estimular a prática de uma catequese com metodologia mais dinâmica, participativa e principalmente experiencial, tendo como base o itinerário catequético com inspiração catecumenal. Responsável pela acolhida e infraestrutura do evento, o pároco da Matriz Sagrada Família, padre Jordélio Siles Ledo, destacou que a proposta do seminário é a de criar uma linguagem mais unificada de ministrar a catequese, adequando-a às realidades brasileiras. “O itinerário de iniciação à vida cristã prega uma catequese vivencial, orante e mais interativa. É uma catequese mistagógica, que quer inserir o catequizando no mistério de Cristo”.

O cardeal arcebispo de São Paulo, Dom Odilo Scherer, saudou os participantes do seminário em visita oficial ao evento, na tarde de sábado, dia 8. Ressaltando a importância de uma verdadeira conversão pastoral missionária da Igreja, Dom Odilo falou que é preciso dar um salto de qualidade para que se produzam os frutos da fé. “Temos muito que caminhar ainda, temos que ter uma nova percepção, voltar à base da fé. Precisamos realizar um trabalho catequético diferente para que no futuro tenhamos frutos melhores.”

Durante o encontro, os participantes conheceram experiências concretas de iniciação à vida cristã: a do regional Nordeste III – Aracaju, que apresentou os resultados do Alerta, evento de evangelização destinado aos jovens que estão vivenciando ou vão viver o itinerário da iniciação à vida cristã no processo catecumenal, do Regional Sul 1 – São Paulo, de catequese junto às pessoas com deficiência, e a do Regional Norte II – Abaetetuba (PA), junto às comunidades ribeirinhas.

Outro evento integrante do seminário foi o lançamento oficial do livro “Itinerário Catequético”, que apresenta orientações para a Pastoral Bíblico-Catequética, trazendo todos os passos necessários para a implantação desse novo modelo catequético pelas comunidades. No livro há quatro propostas de itinerários específicos para as diversas faixas etárias: adultos catecúmenos, adultos catequizandos, crianças e adolescentes e jovens. São roteiros que integram celebrações inspiradas no RICA (Ritual de Iniciação Cristã de Adultos).

O Seminário Nacional de Iniciação à Vida Cristã foi encerrado com missa de envio, celebrada na Matriz Sagrada Família e presidida por Dom Jacinto Bergman. Além dos bispos e sacerdotes que participaram do seminário, a celebração contou, também, com a presença do provincial da congregação dos Estigmatinos (à qual pertencem os sacerdotes da Matriz Sagrada Família), padre Aparecido Neres Santana.

Cida Flosi – MTb 12.188
2T Comunicação

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

"Nova metodologia catequética é proposta de renovação da Igreja”, afirma dom Jacinto




O arcebispo de Pelotas (RS) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a
Animação Bíblico Catequética da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Jacinto Bergman, afirmou, durante o Seminário Nacional de Iniciação à Vida Cristã que a nova metodologia catequética, apresentada durante o evento, “é uma proposta de renovação da Igreja a partir da paróquia”. O encontro aconteceu de 6 a 9 de novembro, na paróquia Sagrada Família, em São Caetano do Sul (SP), diocese de Santo André (SP).

O Seminário teve como objetivo estimular a prática de uma catequese com metodologia mais dinâmica, participativa e principalmente experiencial, tendo como base o itinerário catequético com inspiração catecumenal. Em fevereiro, quando o evento estava em fase de preparação, dom Jacinto explicou que a intenção do novo modelo de iniciação à vida cristã “é voltar à Igreja primitiva, que realmente tinha um catecumenato para iniciar as pessoas em Jesus Cristo”. Além deste retorno, a Comissão pretende que a catequese promova mais vivência “do que o simples conhecimento doutrinal”, apontando para a ação missionária e pastoral.

A partir do lema “Quanto a nós, não podemos deixar de falar sobre o que vimos e ouvimos” (Atos 4,20), cerca de 200 participantes, representantes dos 18 regionais da CNBB, puderam conhecer e partilhar as experiências na implantação da catequese com inspiração catecumenal nas dioceses Brasil. Foram apresentados os exemplos da arquidiocese de Aracaju (SE), onde é realizado o evento de evangelização chamado “Alerta”, voltado aos jovens que vivenciam ou vão vivenciar o processo de iniciação à vida cristã na preparação para o sacramento do Crisma; da arquidiocese de São Paulo (SP), com a catequese junto às pessoas com deficiência; e de Abaetetuba (PA), onde o processo é realizado com as comunidades ribeirinhas.


No sábado, dia 8, esteve presente no Seminário o arcebispo de São Paulo (SP) e presidente do regional Sul 1 da CNBB, cardeal Odilo Pedro Scherer.




Itinerário

Publicado pelas Edições CNBB, o livro “Itinerário Catequético: iniciação à vida cristã – um Processo de Inspiração Catecumenal” foi lançado durante o Seminário. O texto foi preparado por membros da Comissão Episcopal para a Animação Bíblico Catequética e assessores. Está dividido em quatro partes: Fundamentação bíblica, teológica e pastoral; Orientações para uma ação pedagógica-pastoral no processo de iniciação à vida cristã; Itinerários de iniciação à vida cristã conforme as idades. “O itinerário com inspiração catecumenal leva ao surgimento de cristãos mais autênticos, com uma vivência mais sólida”, afirmou o bispo de Santo André (SP), dom Nelson Westrupp.

A publicação da Comissão para a Animação Bíblico-Catequética está disponível para aquisição nas Edições CNBB. Entre no site ou faça contato pelo televendas (61) 2193-3019.
Com informações e fotografia da Assessoria de Imprensa do evento


Palavras de Dom Paulo Mendes sobre o Seminário Nacional de IVC

No contexto atual da mudança de época, de uma cultura em rápidas e profundas transformações, a Comissão de Animação Bíblico-Catequética da CNBB, com participação também dos 18 Regionais em todo o Brasil realiza, de 6 a 9 de novembro de 2014, em São Caetano do Sul, SP, um Seminário de experiência no Processo Catequético. É mais um espaço de Formação Permanente para os catequistas presentes no evento.


Não é um Seminário preocupado com palestras e muito estudo. A intenção é de colher experiências vivenciadas de Iniciação à Vida Cristã que acontecem em situações diferenciadas na Igreja do Brasil. Com isto, buscamos identificar caminhos bonitos e muito fecundos que estão acontecendo, com muita propriedade e dinamismo, em muitos lugares.

A Formação Permanente é a mola motivadora de uma mistagogia catequética, de encantamento dos agentes catequéticos na diversidade regional e eclesial no país. A prática não é tão fácil e ficamos muito centrados nas ideias. A nossa intenção é conseguir uma prática concreta, chegando ao coração dos catequizandos.

Os resultados do esforço catequético dependem de envolvimento da comunidade e famílias como catequizadoras dos catequizandos. O Seminário está revelando tudo isto e provocando em todos os participantes a consciência de que os passos têm que ser envolventes. Supõe coragem, vocação, muita garra e uma mística verdadeira e constante e comprometida.

Só vamos conseguir atingir objetivos reais e concretos na nova caminhada catequética, em estilo mais envolvente, se houver um entendimento maior e comprometido dos nossos padres, principalmente dos senhores párocos. Os passos celebrativos e de entrega dos diversos símbolos pedagógicos dependem muito do presidente da celebração eucarística.
Nas exigências de superação de estruturas caducas e obsoletas, não podemos mais ficar numa catequese com objetivos muito intelectuais. Já saímos do tempo da cristandade, porque muitos passos foram dados, mas nem todos conseguiram perceber a riqueza dessas mudanças. O mundo mudou e a realidade social e forma de entendimento também. A catequese não pode ficar no passado, não conseguindo despertar uma fé comprometida para os dias de hoje.

Dom Paulo Mendes Peixoto
Membro da Comissão Bíblico-Catequético da CNBB.

Fonte:http://abcdiocesedesantos.blogspot.com.br/

Um resumo do Seminário Nacional de Iniciação à Vida Cristã




Dia 09 de Novembro, domingo, terminou o Seminário Nacional de Iniciação à Vida Cristã, iniciado dia 06, com o lema “Não podemos deixar de falar das coisas que vimos e ouvimos”(At 4, 20). Foram 4 dias de intenso trabalho e convivência com cerca de 200 catequistas de todos os 18 Regionais da CNBB. A dinâmica foi refletir sobre práticas apresentadas; não houve nenhuma palestra, ou discurso sobre a Iniciação Cristã, mas sim, três grandes apresentações de experiências, com mais de uma hora de apresentação: uma de Aracaju (projeto Alerta,), outra de catequese junto às pessoas com deficiência, de nível nacional, e uma terceira realizada com as comunidades ribeirinhas de Abaetetuba (PA).

De todas emergiu grande criatividade a fim de colocar em prática as recentes propostas da Igreja no Brasil: introduzir na fé cristã adultos, jovens e crianças através do processo iniciático proposto pelo RICA (Rito de Iniciação Cristã de Adultos) ou de uma catequese de inspiração catecumenal. Ficou claro que esse processo de iniciação, bastante complexo, ao invés de ser uma camisa de força que reduz a ação catequética num único modelo, deixa, ao invés, espaço para uma grande criatividade e multiplicidade de formas. Sua riqueza está em envolver não apenas os catequistas, mas muitos outros ministérios na comunidade, incluindo os párocos, passando pela Pastoral Bíblica, Pastoral Litúrgica, Pastoral Familiar... e outros que vão sendo criados, como os introdutores, padrinhos, etc.

Após essas longas apresentações os participantes do Seminário, reunidos em mais de 20 grupos, realizavam uma oficina em que refletiam sobre as experiências, comentavam, completavam e faziam propostas. As sínteses escritas dessas oficinas eram condensadas por um “olheiro” (especialistas que ficavam atentos às grandes ideias e tendências que apareciam durante o Seminário). No último dia os três olheiros (Profª. Maria do Carmo R., Pe. Abimar de Oliveira e Dom José Peruzzo), coordenados pelo moderador (Pe. Luiz A. Lima) fizeram uma hora e meia de exposição, pontuando o que de mais importante havia sido tratado nos 20 grupos. Seguiu-se a chamada “fila do povo” durante mais de uma hora: em plenário, todos poderiam fazer perguntas (respondidas pelo moderador e os três “olheiros”) ou fazer alguma consideração ou acréscimo.

Assim, o seminário foi intensamente participativo; todos tiveram que trabalhar e produzir suas próprias conclusões. Nenhum texto, palestra, discurso ou documento resultou do Seminário, mas os participantes saíram muito enriquecidos, impulsionados pelo entusiasmo de todos e sobretudo com muito propósito de comunicar nos 18 regionais as riquezas desse Seminário e aplica-las na própria realidade.

Ao lado desse intenso trabalho de reflexão e produção de todos, houve muitas celebrações, orações, leitura orante..., assim como outras atividades culturais e recreativas de altíssima qualidade: concerto de música clássica por um orquestra juvenil, espetáculo de música popular e folclórica, com danças e representações! O ponto alto foi o solene lançamento do Itinerário Catequético: um processo de inspiração catecumenal na noite do dia 08 de Novembro. Sem dúvida, foi um dos mais ricos acontecimentos que a animação bíblico-catequética da CNBB realizou em nível nacional nesses últimos tempos. Além dos mais de 200 representantes dos 18 regionais, estiveram presentes 8 bispos e arcebispos, inúmeros sacerdotes e religiosos, assessores especializados no tema da iniciação, e vários coordenadores, com destaque para o Pe. Décio Walker, Pe. Eduardo Calandro, Frei Faustino Paludo e Pe. Jordélio Siles. Esse último, pároco da Paróquia Sagrada Família de São Caetano do Sul, onde se realizou o Seminário, foi a alma de tudo em seu aspecto logístico, comandando um batalhão de paroquiados que cuidaram dos mínimos detalhes para que tudo saísse bem... e, realmente, também na parte organizativa, o Seminário foi um grande sucesso.

Pe. Luiz Alves de Lima, sdb

Fonte: www.catequeseebiblia.com.br
Toda cobertura do seminário está no site catequese e Bíblia e também na fan page no facebook.  Acompanhe!

terça-feira, 4 de novembro de 2014

CNBB PROMOVE SEMINÁRIO NACIONAL À VIDA CRISTÃ


Representantes dos 18 regionais da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) estarão reunidos, de 6 a 9 de novembro, em São Caetano do Sul (SP), na Matriz Sagrada Família, Diocese de Santo André, para a realização do Seminário Nacional de Iniciação à Vida Cristã. Sob o lema “Quanto a nós, não podemos deixar de falar sobre o que vimos e ouvimos” (Atos 4, 20), o evento tem por objetivo estimular a prática de uma catequese com metodologia mais dinâmica, participativa e principalmente experiencial, tendo como base o itinerário catequético com inspiração catecumenal. Durante o Seminário haverá o lançamento do livro “Itinerário Catequético”, com subsídios para catequese em todas as dioceses do Brasil. A organização do Seminário é da Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-Catequética da CNBB e toda a infraestrutura e acolhida estão a cargo de padre Jordélio Siles Ledo, CSS, pároco da Matriz Sagrada Família e coordenador diocesano da Comissão Pastoral de Animação Bíblico-Catequética.

O Seminário deverá contar cerca de 200 participantes, incluindo dez bispos, 40 sacerdotes, religiosos e leigos, vindos de diversas partes do País. Além de oficinas e momentos celebrativos e de oração, a programação inclui a partilha de experiências concretas de iniciação à vida cristã, como a de Abaetetuba, no Pará, onde o trabalho é realizado com comunidades ribeirinhas, e a da Regional Sul 1 da CNBB (São Paulo), que promove catequese com pessoas com deficiências. A intenção é que o relato dessas experiências motive a reflexão sobre a prática catequética com o objetivo de motivar novos itinerários de educação da fé.

O lançamento do livro “Itinerário Catequético” ocorrerá na sexta-feira, dia 7. A publicação apresenta orientações para a Pastoral Bíblico-Catequética, trazendo todos os passos necessários para a implantação desse novo modelo catequético pelas comunidades. No livro há quatro propostas de itinerários específicos para as diversas faixas etárias: adultos catecúmenos, adultos catequizandos, crianças e adolescentes e jovens. São roteiros que integram celebrações inspiradas no RICA (Ritual de Iniciação Cristã de Adultos). É um caminho possível a ser feito em todas as realidades do território nacional.

Fonte: Jornalista responsável: Cida Flosi – MTb 12.188
2T Comunicação

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Assembleia Animação Bíblico-Catequética SUL I




De 18 a 20 de julho de 2014, aconteceu no Espaço Anhanguera em São Paulo/SP a Assembléia do Regional Sul I, tendo como tema : Catequista e Comunidade protagonista para a Nova Evangelização”, preparado pela Comissão Regional da Animação Bíblico-Catequética.
A Assembléia teve como objetivo conduzir o catequista a compreender o seu papel e da comunidade frente a missão de evangelizar. O tema foi desenvolvido pelo Pe. Roger Mateus, reitor do seminário de filosofia de Taubaté, dividido em dois momentos:
1º momento: Chamados a crescer como evangelizadores
2ºmomento: Catequista e Comunidade protagonistas para a Nova Evangelização.
Além de momentos formativos e de oração, houve a partilha por sub-regionais trançando objetivos e metas para a nova evangelização.

D. Vilson, bispo referencial da Animação Bíblico-Catequética após a Eucaristia abençoou todos os catequistas e os enviou em missão. Estiveram presentes 38 dioceses, das 47 pertencentes ao Regional Sul 1.

sábado, 19 de julho de 2014

Escola de Atualização Catequética Regional Sul


O Regional Sul 1 da CNBB por meio da Comissão para a Animação Bíblico-catequética, realizou  do dia 15 a 18 de julho de 2014, no Auditório do Espaço Anhanguera, em São Paulo, a escola de “Atualização Catequética e Animação Bíblico-catequética”.
De acordo com o Bispo de Limeira e presidente da Comissão Regional para Animação Bíblico-Catequética dom Vilson Dias de Oliveira “o processo da escola de atualização, perpassa os seguintes eixos, entre eles, “O Caminho da Interpretação da Palavra”, com a Ms Ir Maria Aparecida Barboza; “Ética e Moral Cristã”, assessorado pelo Luiz Alberto Asato; “Planejamento Catequético” com o padre Paulo Gil; “Eucaristia, Fonte de Vida e Missão”, ministrado pelo professor padre Paulo Sergio Lopes Gonçalves, além das oficinas “Catequese com estilo Catecumenal”, sob a orientação da equipe de coordenação regional e “escolas diocesanas e paroquiais” com o padre Marcelo Machado””, declarou.
Ainda de acordo com o bispo, “a escola tem a duração de quatro dias, terminando nesta sexta-feira, dia 18/07. Logo em seguida, nós teremos a Assembleia Regional de Animação Bíblico-catequética, que acontecerá também nas dependências do Espaço Anhanguera e segue até domingo (dia 20/07), que tem como tema: “Catequista e Comunidade protagonista para a Nova Evangelização””, concluiu.
Objetivo da escola: A Escola de Catequese do Regional Sul 1 é um espaço formativo-celebrativo que pretende desenvolver nos catequistas as habilidades e competências necessárias para o bom exercício do seu ministério catequético, seguindo os eixos formativos correspondentes à Pastoral Bíblico-Catequética: ser, saber e saber fazer.
Destinatários: catequistas e agentes de pastoral envolvidos a ação evangelizadora
Metodologia: aulas expositivas, vídeos, leituras e atividades em grupo, pesquisa e estágio pastoral nas dioceses. Os encontros seguem a didática mistagógica, alicerçados no método: ver – julgar – agir – rever – celebrar, tendo sempre como pano de fundo a Sagrada Escritura.
Mística: inspirados no evangelho de Jesus Cristo, contribuir na formação dos catequistas, para que sejam verdadeiros discípulos-missionários, comprometidos com o Reino de Deus e a vida plena.
Avaliação: participação, estágio e trabalho final.
Responsáveis:
Paulo César Gil – E-mail: ppaulogil@hotmail.com
Dom Vilson Dias de Oliveira, DC – E-mail: domvilson@uol.com.br
Confira abaixo os temas com os palestrantes (dias 15 a 18 de julho de 2014)
1. “O Caminho da Interpretação da Palavra” – Ms Ir.Maria Aparecida Barboza;
2. “Ética e Moral Cristã”, assessorado pelo Luiz Alberto Asato;
3. “Planejamento Catequético” com o padre Paulo Gil;
4. “Eucaristia, Fonte de Vida e Missão”, ministrado pelo professor padre Paulo Sergio Lopes Gonçalves;
5. Oficinas “Catequese com estilo Catecumenal”, sob a orientação da equipe de coordenação regional;
6. “Escolas diocesanas e paroquiais” com o padre Marcelo Machado.

Fonte.: http://www.cnbbsul1.org.br

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Escola de Atualização Catequética


Nos dias  15 a 18 de julho, aconteceu  a Escola Bíblico-Catequética do Regional Sul I. Acompanhem  o que aconteceu  na escola

Eixo Bíblico: Caminho de interpretação da Palavra – Ms Ir.Maria Aparecida Barboza

Tendo como instrumentos de trabalho dois documentos da Igreja de grande importância para Animação Bíblica da Pastoral: A Dei Verbum e a Verbum Domini

Pode-se destacar da reflexão realizada pela assessora, os seguintes tópicos:
· A Tradição oral e escrita da Sagrada Escritura;
· Animação Bíblica na catequese;
· Alguns passos para diminuir a distância entre os cristãos e a Palavra de Deus. Pela intimidade da Palavra, que crescemos no diálogo com as outras religiões, e assim viver o ecumenismo;
· Dei Verbum : Um amplo espaço à Palavra de Deus, a Bíblia na mão do catequizando e o avanço das ciências bíblicas;
· Verbum Domini: A intimidade de Deus a partir da Palavra- Uma Igreja conduzida pela Palavra;
· Uma Igreja convocada a anunciar a Palavra ao mundo, motivando a justiça e a caridade 
· Deus que escuta o ser humano e sabe das suas necessidades.

Falar de Animação Bíblica na catequese é reconhecer que a centralidade da Palavra de Deus em nossa realidade eclesial e constatar toda a riqueza e vitalidade da Igreja, no processo de transmissão da fé às novas gerações através de ações concretas em sua ação evangelizadora.                                                                                                                                                         

Eixo teológico: Ética e Moral Cristã -

Prof. Especialista Luiz Alberto Asato, do sub regional de Botucatu, trouxe para os presentes a reflexão do tema “Ética e Moral cristã”. O assessor serviu-se de textos extraídos da Revista de Catequese e outros subsídios catequéticos, para o desenvolvimento do assunto.
    Destacou que ética e moral não são coisas distantes da vida humana, e que uma se serve da outra. A ética, do grego Ethos, que significa o modo de ser, caráter e valores, ilumina as ações morais. Moral, do latim Mos ( no plural mores) da ênfase ao significado do costume. A moral está ligada intimamente ao caráter.
            Quando se fala de ética, fala-se de valores universais, já a moral está para aspectos particulares, de determinado grupo ou cultura. A ética ajuda nas reflexões das nossas atitudes morais.
            Além dessas definições, professor Luiz falou da importância da relação do ser humano com a sociedade. Uma relação de troca, onde o homem oferece o seu trabalho e a sociedade lhe dá o essencial para a sobrevivência. E é dessa relação indispensável, que o homem se humaniza.

 
Eixo Metodológico –  Pe Paulo Gil , assessor ABC Regional Sul I-  “Planejamento catequético- Um caminho a percorrer”.

            Dois textos iluminaram os trabalhos: A perícope de Mateus 13, 1-23 e o parágrafo 49 da Evangelium Gaudium. A parábola do bom semeador é um ótimo texto para ilustrar um bom planejamento catequético. Cristo ao sair para evangelizar, pensou no objetivo que desejava alcançar com aquele grupo, no lugar onde ele se reuniria e na estratégia. O papa Francisco relembra que o objetivo da catequese é de fazer com que as pessoas se tornem amigas de Jesus.
            Alguns aspectos importantes foram destacados para realização do planejamento catequético:
·         A pratica pedagógico-catequética exige do catequista uma inserção na comunidade;
·         A catequese é um processo dinâmico, exigente e permanente da educação da fé e exige tempo, pessoas;
·         Para um bom planejamento é preciso considerar a importância do tempo necessário para a sua realização;
·         O caminho para a realização do planejamento existe, o que falta é foco para a sua realização;
·         Considerar a caminhada de vida de cada pessoa como um ser, único e inteiro, diferentes de todos os demais. Aproximar-se das pessoas como elas são assim como Jesus fez;
·         Planejar é fazer a experiência da reflexão. Cuidado com o improviso, em partir sem saber para onde se quer chegar, em agir sem tomar decisões
·         A mística deve estar presente no planejamento, uma reflexão à luz da Palavra de Deus, pensar no material humano.
·         Determinação das prioridades para fazer um planejamento: como fazer? O que fazer? Com quem fazer?
·         Realizar uma elaboração do plano: estabelecer as etapas do planejamento e elaborar o plano.
·         A importância de uma avaliação periódica das etapas como uma abertura para possíveis mudanças;
·         Para planejamento dos encontros catequéticos é preciso considerar: Motivação, interiorização, expressão, memorização e sensibilização.


O eixo litúrgico: Prof. Dr Paulo Sérgio L.Gonçalves - “Eucaristia, fonte de vida e missão da Igreja”
O objetivo desse estudo é apresentar analiticamente a eucaristia como sacramento originário da vida e missão da Igreja.
            Para melhor compreender o sentido da eucaristia, pode-se partir de duas vias: a Sagrada Escritura e a Tradição da Igreja. No sentido bíblico, a Eucaristia é apresentada como: a ceia do Senhor, sacrifício amoroso, presença real de Cristo na Igreja e no mundo e sonho escatológico.
            Servindo-se do texto paulino de 1 Cor 11,23-26, padre Paulo destacou a vivacidade da ceia do Senhor. Paulo foge a regra dos demais apóstolos de Jesus, não O encontrou fisicamente, e sim por uma experiência fenomenal, vivida. Paulo narra o que recebeu do Senhor.
            A ceia de Jesus, rememorada pelo Apóstolo, remete o cristão a ceia judaica, narrada em Êxodo 12,1-14. Cristo faz com toda humanidade a Nova e Eterna Aliança. Ele se fez cordeiro, para a salvação de todos.
            Em Marcos 14,22-25, um verdadeiro manual de catequese, o contexto teológico é o seguimento de Jesus. O vinho tem um sentido escatológico, o sangue da salvação.
            Lucas 22, 19-20, a salvação por meio de Cristo é universal. Uma identificação entre o pão fracionado e ação de graças. Aqui quando se fala numa presença de Cristo é a presença espiritual.
            Ainda nas obras lucanas, em Atos dos Apóstolos, é possível perceber as celebrações de iniciação cristã, que eram realizadas nas casas com as famílias. Uma articulação entre Palavra e Eucaristia, por exemplo, em Emaús a palavra prepara o caminho para a eucaristia e a eucaristia clarifica a palavra.
            A carta aos hebreus, Eucaristia é um sacrifício amoroso. Aqui não existe mais templo, nem sacerdote, Cristo é o Sumo Sacerdote. Jesus é o cordeiro imolado (Hb 10-13).
            No contexto da Tradição, padre Paulo percorreu toda a história da Igreja, desde as primeiras comunidades, passando pela teologia elaborada pelos santos padres, ressaltando a importância dos Concílios de Trento e do Concílio Vaticano II, até chegar a documentos recentes que falam sobre a Eucaristia, como Ecclesia de Eucharistia (João Paulo II, 2003) e Sacramentum Caritatis (Bento XVI, 2007).
            Outros aspectos foram destacados pelo professor: uma dimensão social da eucaristia, pois é um sacramento que não exclui ninguém é a própria pessoa que se exclui do sacramento. A importância da inculturação eucarística, respeitando a cultura em que a celebra, mas não alterando a matéria do sacramento: o pão e vinho. A presença real de Cristo, uma espiritualidade eucarística e a ecologia eucarística.  


Escolas diocesanas e paroquiais
Orientação: Pe Marcelo Machado-RP1

Momento de reflexão e orientação para as escolas paroquiais e diocesanas.
            Padre Marcelo fez um pequeno resumo do instrumento de trabalho da CNBB Escolas Catequéticas - Um processo pedagógico, vivencial e catecumenal.
            Desde antes do Concílio Vaticano II, fala-se da importância da formação dos catequistas, uma formação permanente sem esquecer as transformações na política, cultura e na religião.
            As escolas bíblico-catequéticas paroquiais são voltadas para os catequistas de base, devem ser verdadeiras escolas de IVC. E essa escola também vai conduzir ao verdadeiro ministério do catequista. As escolas bíblico-catequéticas diocesanas deve ser um momento de aprofundamento e de formação para formadores, viabilizando o projeto diocesano proposto pelo bispo. Ambas devem contemplar os eixos: bíblico, teológico, metodológico e litúrgico, mas cada uma na sua especificidade.
            É a mística que sustenta e ajuda atingir com segurança o objetivo traçado pela escola. É de grande importância que cada escola tenha o seu projeto político pedagógico.
            Logo após o café, todos os presentes foram convidados a fazerem um momento de avaliação (escrita e oral). Padre Paulo e toda a equipe de coordenação do regional fizeram a entrega dos certificados e sorteio de alguns brindes. Encerrou-se com o almoço.

Oficinas - catequese com estilo catecumenal - Orientação: equipe de coordenação regional
A proposta foi de oito grupos, de nove pessoas, para passar em quatro cenários montados e observar cada um.
·        O primeiro cenário apresentava a catequese no contexto do pré Concílio de Trento ao Concílio Vaticano II.
·         O segundo cenário apresentava a Catequese Renovada, as conferências episcopais latino-americanas e a Primeira Semana Brasileira de Catequese
·         O terceiro cenário apresentava a Segunda Semana Brasileira de Catequese, a importância de se fazer uma catequese adulta com os adultos
·         O quarto cenário apresentava a Terceira Semana Brasileira de Catequese, o Documento de Aparecida.
            Depois de ter percorrido este caminho, à luz da entrevista com o irmão Nery, intitulada “Catequese de inspiração catecumenal”, os grupos responderam a seguinte questão: O que é essencial para uma catequese com estilo catecumenal?
            É necessária uma formação acerca do estilo catecumenal para os catequistas, os demais agentes de pastoral e também o clero. Que haja coragem para a mudança de paradigmas e um esforço de conversão de toda igreja. Uma integração entre liturgia e catequese.
            Querigma anunciado e vivenciado pelos catequistas, para que possam anunciar e testemunhar aos seus catequizandos e suas famílias. Voltar-se de fato para uma catequese com adultos, sem abrir mão da catequese infanto-juvenil, que proporcione um encontro pessoal com Jesus Cristo.
             Nas suas considerações finais, padre Paulo Gil, disse que o essencial é uma formação iniciática dos catequistas, que começa em casa. Fazer uma catequese fundamentada na Palavra, nos documentos, trazendo símbolos e sinais para mergulhar no mistério. Assim como caminhamos, no crescimento, o processo só vai acontecer se tivermos um encontro com Cristo.
           
 Fonte: Coordenação Diocesana ABC Diocese de Jundiaí
Roberta Bossi e Ana Paula Oliveira
Rede de blogs-CNBB/Sul I

terça-feira, 15 de julho de 2014

Escola de Atualização Catequética - Regional Sul I


Iniciamos hoje, dia 15, até o dia 18 de julho, mais um módulo da Escola de Animação-Bíblico Catequética do Regional Sul 1-CNBB, no Antigo Centro Pastoral Santa Fé, agora Espaço Anhanguera eventos, São Paulo/SP, contando com a presença de 28 dioceses de nosso Regional.





Padre Paulo Gil, assessor da Animação Bíblico Catequética do Regional Sul I, acolheu a todos com muito carinho e fez uma oração inicial.





Logo após o acolhimento, a Ms Ir. Maria Aparecida Barboza, da congregação das irmãs do Imaculado Coração de Maria, começou a sua reflexão como tema proposto do eixo Bíblico: “Caminho para interpretação da Palavra”.


A Ir.Maria Aparecida trabalhou o caminho de interpretação da Sagrada Escritura tendo como instrumentos de trabalho dois documentos da Igreja de grande importância para Animação Bíblica da Pastoral: A Dei Verbum e a Verbum Domini.


Pode-se destacar da reflexão realizada pela assessora, os seguintes tópicos:

· A Tradição oral e escrita da Sagrada Escritura;
· Animação Bíblica na catequese;
· Alguns passos para diminuir a distância entre os cristãos e a Palavra de Deus. Pela intimidade da Palavra, que crescemos no diálogo com as outras religiões, e assim viver o ecumenismo;
· Dei Verbum : Um amplo espaço à Palavra de Deus, a Bíblia na mão do catequizando e o avanço das ciências bíblicas;
· Verbum Domini: A intimidade de Deus a partir da Palavra- Uma Igreja conduzida pela Palavra;
· Uma Igreja convocada a anunciar a Palavra ao mundo, motivando a justiça e a caridade 
· Deus que escuta o ser humano e sabe das suas necessidades, Ele se dá a conhecer no dialogo, pedagogia dialogal de Deus.

A Ir. Maria Aparecida, fez um itinerário sobre as cincos conferências episcopais da América Latina e Caribe, destacando o que cada uma traz de contribuição para a interpretação da Sagrada Escritura, na vida da Animação Bíblica Pastoral.

Para finalizar Pe. Paulo Gil destacou que a Palavra deve ser acolhida, meditada, celebrada, vivida, transmitida na nossa ação pastoral.










Fonte:http://abcdiocesejundiai.blogspot.com.br/2014/07/escola-de-atualizacao-catequetica.html#links

Escola de atualização Catequética Sul I

No período de 15 a 18 de julho, acontecerá a Escola de Animação-Bíblico Catequética do Regional Sul 1-CNBB - Espaço Anhanguera eventos-São Paulo-SP 

Tema: Eixos Temáticos para Escola Regional

1.  Eixo Bíblico - Caminho de interpretação da Palavra – Ms Ir.Maria Aparecida Barboza
2.   Eixo teológico – Ética e Moral Cristã –  Professor Luiz Alberto Asato
3. Eixo Metodológico – Planejamento Catequético – Professor Pe Paulo Gil
4.   Eixo Litúrgico – Eucaristia Fonte de Vida e Missão-  professor Pe Paulo Sergio Lopes Gonçalves 

Oficinas - catequese com estilo catecumenal - Orientação: equipe de coordenação regional

Escolas diocesanas e paroquiais - Orientação: Pe Marcelo Machado-RP1
Dom Vilson fará a motivação

quinta-feira, 3 de abril de 2014

Nota de Condolências

Recebi com profundo pesar a notícia do falecimento de Dom Pedro Fré, CSSR, Bispo Emérito da Diocese de Barretos, SP.
Neste momento de dor, manifesto em meu nome e em nome de toda a Diocese de Limeira, as condolências aos familiares, a todo o clero da Diocese de Barretos, bem como a toda a Congregação dos Padres Redentoristas, expresso meus sentimentos e condolências pelo passamento deste irmão no episcopado que, agora, é chamado a viver em plenitude a vida dos justos.
Natural de Tietê – Cerquilho – SP, dom Pedro foi ordenado presbítero em 21 de dezembro de 1950, e bispo, em 1986. Entre 1986 e 1989, esteve como bispo de Corumbá – MS, e de 1989 a 2000, bispo de Barretos (SP).
O velório realizou-se na capela São José do Santuário Nacional, em Aparecida. Às 16h00, deste dia 03/abril, dia da Canonização do Pe. José de Anchieta, acontece a missa de corpo presente e, em seguida, o sepultamento no cemitério local.
Seu lema episcopal “Curar os corações feridos” foi vivido intensamente em sua caminhada como pastor dedicado e comprometido com as atividades missionárias e de formação.
Foi grande anunciador do evangelho e deixou mensagens de otimismo e esperança, trabalhando incansavelmente pelo Reino de Deus, por isso ouve neste momento a voz do Pai que lhe diz: “Servo bom e fiel, entra na alegria do teu Senhor!” (Mt 25, 21).
Elevo preces a Deus pelos por todos os diocesanos, familiares, irmãos de Congregação e amigos que vivem este momento com profunda consternação e dor.  Peço que Deus os conforte, os abençoe e os guarde em seu amor.

            Limeira, 03 de abril de 2014.

Dom Vilson Dias de Oliveira, DC
Bispo Diocesano de Limeira
Presidente da Sub-região Pastoral Campinas


quarta-feira, 12 de março de 2014

FRATERNIDADE E TRÁFICO HUMANO DOAÇÃO DE ÓRGÃOS PARA TRANSPLANTES



A Campanha Fraternidade aborda, a cada ano, realidades da vida eclesial e social. A realidade do Tráfico Humano que estamos discutindo, refletindo e rezando, fala de diversos aspectos da vida dos nossos irmãos e irmãs. A vida humana é dom, e cada pessoa é um filho, uma filha de Deus. Estamos sempre na busca de salvar a vida de pessoas. 

Ao abordarmos o tráfico humano, lembramos a importância dos transplantes de órgãos que salvam milhares de vidas todos os anos, em todo o mundo.

Como lembra Beato João Paulo II: “a doação de órgãos é o maior gesto de amor ao próximo que pode ser feito por todos nós.” Órgãos e tecidos não podem ser comprados nem vendidos. Só podem ser doados de forma livre, generosa e altruísta. 

A doação entre pessoas vivas somente pode ser feita nos casos de parentes próximos. Depois da morte, as famílias precisam autorizar as doações e, somente dessa forma, os transplantes poderão ser realizados.

O progresso da medicina tem salvado pessoas através do transplante de órgãos. A fila à espera de um transplante é grande. Há necessidade de doadores de órgãos, para continuar o tratamento de milhares de doentes.

Qualquer tipo de comércio de órgãos é proibido por lei e é combatido pelos médicos.

Vamos conversar em família sobre a decisão de ser um doador, pois, inúmeras vezes, a família deixa de autorizar a doação, por não conhecer o desejo do seu ente querido.

Ao combatermos todos os modos de tráfico humano, lembramos que a doação de órgãos é esperança de vida! Ela é apoiada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil - CNBB.

Uma abençoada caminhada quaresmal com Jesus Crucificado Ressuscitado,

+ Leonardo Ulrich Steiner
Bispo Auxiliar de Brasília
Secretário Geral da CNBB
Brasília, 07 de março de 2014

quarta-feira, 5 de março de 2014

Papa Francisco envia mensagem para a Campanha da Fraternidade 2014

Por ocasião da abertura da Campanha da Fraternidade 2014, que aborda o tema "Fraternidade e Tráfico Humano" e o lema "É para a liberdade que Cristo nos libertou", o papa Francisco enviou mensagem aos bispos da CNBB e a todos os fiéis das dioceses, paróquias e comunidades do Brasil. No texto, o papa afirma que o tráfico de pessoas é uma “uma chaga social”.

“Não é possível ficar impassível, sabendo que existem seres humanos tratados como mercadoria! Pense-se em adoções de criança para remoção de órgãos, em mulheres enganadas e obrigadas a prostituir-se, em trabalhadores explorados, sem direitos nem voz, etc. Isso é tráfico humano!”, destacou Francisco. 

Ao final da mensagem, Francisco concedeu bênção apostólica a todos os brasileiros desejando uma Quaresma de vida nova em Cristo.

Confira a íntegra da mensagem:

Queridos brasileiros,

Sempre lembrado do coração grande e da acolhida calorosa com que me estenderam os braços na visita de fins de julho passado, peço agora licença para ser companheiro em seu caminho quaresmal, que se inicia no dia 5 de março, falando-lhes da Campanha da Fraternidade que lhes recordo a vitória da Páscoa: <<É para a liberdade que Cristo nos libertou>> (Gal 5,1). Com a sua Paixão, Morte e Ressurreição, Jesus Cristo libertou a humanidade das amarras da morte e do pecado. Durante os próximos quarenta dias, procuraremos conscientizar-nos mais e mais da misericórdia infinita que Deus usou para conosco e logo nos pediu para fazê-la transbordar para os outros, sobretudo aqueles que mais sofrem: <<Estás livre! Vai e ajuda os teus irmãos a serem livres!>>. Neste sentido, visando mobilizar os cristãos e pessoas de boa vontade da sociedade brasileira para uma chaga social qual é o tráfico de seres humanos, os nossos irmãos bispos do Brasil lhes propõe este ano o tema “Fraternidade e Tráfico Humano”.

Não é possível ficar impassível, sabendo que existem seres humanos tratados como mercadoria! Pense-se em adoções de criança para remoção de órgãos, em mulheres enganadas e obrigadas a prostituir-se, em trabalhadores explorados, sem direitos nem voz, etc. Isso é tráfico humano! <<A este nível, há necessidade de um profundo exame de consciência: de fato, quantas vezes toleramos que um ser humano seja considerado como um objeto, exposto para vender um produto ou para satisfazer desejos imorais? A pessoa humana não se deveria vender e comprar como uma mercadoria. Quem a usa e explora, mesmo indiretamente, torna-se cúmplice desta prepotência>> (Discurso aos novos Embaixadores, 12/XII/2013). Se, depois, descemos ao nível familiar e entramos em casa, quantas vezes aí reina a prepotência! Pais que escravizam os filhos, filhos que escravizam os pais; esposos que, esquecidos de seu chamado para o dom, se exploram como se fossem um produto descartável, que se usa e se joga fora; idosos sem lugar, crianças e adolescentes sem voz. Quantos ataques aos valores basilares do tecido familiar e da própria convivência social! Sim, há necessidade de um profundo exame de consciência. Como se pode anunciar a alegria da Páscoa, sem se solidarizar com aqueles cuja liberdade aqui na terra é negada?

Queridos brasileiros, tenhamos a certeza: Eu só ofendo a dignidade humana do outro, porque antes vendi a minha. A troco de quê? De poder, de fama, de bens materiais... E isso – pasmem! A troco da minha dignidade de filho e filha de Deus, resgatada a preço do sangue de Cristo na Cruz e garantida pelo Espírito Santo que clama dentro de nós:<< “Abbá, Pai!”>> (cf. Gal 4,6). A dignidade humana é igual em todo o ser humano: quando piso-a no outro, estou pisando a minha. Foi para a liberdade que Cristo nos libertou! No ano passado, quando estive junto de vocês afirmei que o povo brasileiro dava uma grande lição de solidariedade; certo disso, faço votos de que os cristãos e as pessoas de boa vontade possam comprometer-se para que mais nenhum homem ou mulher, jovem ou criança, seja vítima do tráfico humano! E a base mais eficaz para restabelecer a dignidade humana é anunciar o Evangelho de Cristo nos campos e nas cidades, pois Jesus quer derramar por todo o lado vida em abundância (cf. Evangelii gaudium, 75).

Com estes auspícios, invoco a proteção do Altíssimo sobre todos os brasileiros, para que a vida nova em Cristo lhes alcance, na mais perfeita liberdade dos filhos de Deus (cf. Rm 8, 21), despertando em cada coração sentimentos de ternura e compaixão por seu irmão e irmã necessitados de liberdade, enquanto de bom grado lhes envio uma propiciadora Bênção Apostólica.