quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

CATEQUESE JUNTO À PESSOA COM DEFICIÊNCIA - CNBB/SUL1




No dia primeiro de dezembro de 2012, Dom Vilson Dias de Oliveira, DC, recebe a equipe executiva da Catequese junto à pessoa com deficiência, na residência episcopal, estando presentes: Pe. Décio José Walker, Assessor da Comissão de Animação Bíblico-Catequética da CNBB, os representantes da Sub-Região de Campinas: membros da Pastoral dos Surdos da diocese de Limeira; os representantes da Sub-Região RPI: Vanilda; os representantes da Sub-Região SPI: Margarete, Maria Aguilar, Solange, Mario; os representantes da Sub-Região SPII: Sonia, Paulo, Ir. Daiane, Cícera; os representantes da Pastoral da Pessoa com deficiência da Arquidiocese de São Paulo: Valter e Neuza; os representantes do Movimento Fé e Luz: Walter e Marcia.

Pe. Décio coloca os projetos da catequese neste próximo período de 4 anos, e para catequese junto à pessoa com deficiência, a preparação de um subsídio inspirado no V Seminário Nacional da Catequese junto à pessoa com deficiência para o próximo ano; e foi sugerida uma proposta que no ano de 2014 seja realizado o Seminário de Iniciação Cristã junto com a Catequese junto à pessoa com deficiência.

Sr. Valter e Neuza apresentaram a trajetória da Pastoral da Pessoa com Deficiência da Arquidiocese de São Paulo, o grupo que se formou para trabalhar no tema da Campanha da Fraternidade 2006, e continuou fazendo Fóruns após a Campanha da Fraternidade de 2006, e que faz 2 que foi constituída como Pastoral da Pessoa com Deficiência e procuram desenvolver um trabalho de evangelizando e a união junto com os catequistas é um meio de aprender e também ensinar dinâmicas que faça fomentar o trabalho catequético no Regional Sul 1, apresentaram também os textos Construindo a Teologia da Inclusão de Valter Ceccheti, e o texto Catequese Inclusiva do Pe. Antônio Marcos Depizzoli e o Projeto Igreja Acessível, que procura sensibilizar e envolver a comunidade para a inclusão das pessoas com deficiência na vida eclesial.

Dom Vilson, também apresentou o texto a Juventude e Iniciação à Fé, destacando no texto: “A perspectiva cristã de nossa catequese mistagógica tem muito a oferecer quando nos remete a fonte de nossa fé: a experiência a partir da fé no Ressuscitado. Essa experiência catecumenal que abre a todos a oportunidade de refletir os fundamentos de sua fé a partir da própria experiência e participação nos mistérios sacramentais em comunidade, gera a possibilidade de engajamento mais profundo de nossos jovens e adolescentes na Igreja. Estimulá-los a uma vivência mística e operante da fé, é aguçar neles a curiosidade na busca do entendimento do mistério pela prática do seguimento do evangelho, ao trabalhar neles o desenvolvimento de suas potencialidades, desde a mais tenra idade, encorajando-os ao descobrimento de dons e carismas em nossos núcleos catequéticos”.

Cícera Thadeu dos Santos
Diocese de Mogi das Cruzes

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Diocese de Guarulhos realiza III Congresso Diocesano da Animação Bíblico-Catequética


Em atendimento ao plano pastoral de nossa Diocese, foi realizado o 3º Congresso Diocesano de Catequese, nos dias 24 e 25/11/12. Com o tema: Catequese: Caminho para o mistério "Quem me vê, vê o Pai" (Jo 14,9)  refletimos os rumos da Evangelização em nossa Diocese.

Este Congresso foi realizado em um ano muito propício, já que estamos celebrando o Ano da Fé. Nosso objetivo é despertar uma reflexão bíblico-catequética tendo em vista a iniciação à Vida Cristã, despertar o aspecto mistagógico como um caminho formativo de catequistas, abordando a mística como experiência do mistério da vida de Jesus e para o discipulado missionário. 

“O Catequista é aquele que encontra Cristo, descobre como “Caminho, Verdade e Vida”, faz com Ele uma experiência pessoal profunda e por isso é capaz de apresentá-lo, não como doutrina, mas, como pessoa que modifica, que transforma, que desestrutura toda maneira de ser, de pensar e agir”.[1]

A Catequese como caminho para o discipulado traz presente a necessidade do encontro pessoal com Jesus Cristo e conseqüentemente o seguimento e a missão: todo discípulo é missionário. São as duas faces de uma mesma realidade, conforme afirma o Documento de Aparecida. O discípulo missionário será atuante e desenvolverá a missão nos vários âmbitos da sociedade: família, comunidade, escola, trabalho. Portanto, o discipulado acontece no mundo e está aberto às necessidades e desafios da realidade, mas, este discipulado só ocorrerá se tiver tido uma verdadeira e autêntica Iniciação Cristã.

Pe. Pelegrino Rosa Neto -
Equipe Animação Bíblico Catequética diocesana


Assessores:

Pe Paulo Gil: Mistagogia na Catequese

Pe. Marcelo Delsim: Ano da Fé

Elenice Silva: Estpiritualidade do Catequista

Pe. Pelegrino Rosa Neto ( missa de abertura)

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

CONCÍLIO E ANO DA FÉ


*Por Dom Demétrio Valentini
Bispo de Jales (SP)
O dia 11 de outubro, data comemorativa da abertura do Concílio, foi também escolhido como data de abertura do Ano da Fé. Assim, o Ano da Fé se apresenta como vinculado ao Concílio Vaticano II.
Existe uma insistência proposital em torno desta data de onze de outubro.Tudo para enfatizar a importância eclesial do Concílio.
A Carta Apostólica, de convocação do Ano da Fé, é datada no dia 11 de outubro de 2011. A publicação do Catecismo da Igreja Católica, também ocorreu num dia 11 de outubro, em 1992. E agora, o Ano da Fé tem o seu início oficial neste dia 11 de outubro de 2012, jubileu do Concílio.
Tanta insistência não deixa de ter um significado especial. É o próprio Papa Bento XVI que a vincula com os objetivos do Ano da Fé, dizendo em sua Carla Apostólica “Porta Fídei”:
"Pareceu-me que fazer coincidir o início do Ano da Fé com o cinquentenário da abertura do Concílio Vaticano II poderia ser uma ocasião propícia para compreender que os textos deixados em herança pelos Padres Conciliares, não perdem o seu valor nem a sua beleza”.
Portanto, o Ano da Fé foi colocado em conexão direta com o Concílio.  Foi a maneira de vincular a fé da Igreja com a proposta de renovação eclesial apresentada pelo Concílio.
É também um convite a valorizar mais os documentos do Concílio, que permanecem como bússola segura a iluminar os passos da Igreja no início deste novo milênio, como afirmou João Paulo II na Exortação Apostólica Tertio Millenio Ineunte.
Se recordamos que o Concílio levou quatro anos para se concluir, e que, portanto faltam ainda quatro anos para celebrarmos o seu encerramento, nos damos conta que este Ano da Fé se insere no contexto mais amplo, de uma sequência que poderá continuar. Nada obsta que tenhamos um “Ano da Esperança”, e se acontecer este, todo mundo vai ficar aguardando o “Ano da Caridade”.
Em todo o caso, o fato consistente é a insistência de evocar o Concílio como referência para a Igreja discernir os passos que precisa dar em nosso tempo, marcado por tantas transformações, que afetaram inclusive a própria vida da Igreja.  Retomar sua identidade, e assumir sua missão, permanece como o desafio maior da Igreja em nosso tempo.
Esta vinculação profunda entre Concílio e Fé foi simbolizada na imponente cerimônia da abertura oficial do Concílio, em 11 de outubro de 1962. Um dos primeiros atos da celebração foi a solene profissão de fé, feita pelo Papa João XXIII, ajoelhado diante de todos os bispos, expressando a fé da Igreja, de forma solene, de acordo com o “Credo niceno constantinopolitano”, como para dizer que o Concílio não iria contradizer o “tesouro da fé”, recebido dos apóstolos.
A primeira tranquilidade que brota de dentro de nós, quando empreendemos qualquer iniciativa, é a certeza de contar com a bênção de Deus. Foi o que procurou fazer João XXIII, ao professar solenemente sua fé católica no momento de abrir o Concílio Ecumênico.
Tendo assumido o complexo tema referente à Igreja de Cristo, a partir do Concílio é  possível recuperar todos os grandes artigos de nossa fé. A começar pela constatação de que a Igreja é chamada a ser o reflexo da comunhão trinitária, da qual passamos a fazer parte pelo dom da fé, que nos envolve em comunhão fraterna.
Com este Ano da Fé fica fortalecido o significado do Concílio, incentivando-nos a acolher os seus autênticos ensinamentos, e sobretudo, deixando-nos imbuir do seu espírito de renovação eclesial.

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Mística: O ROSTO DA NOSSA ESCOLA DE CATEQUESE

*Por Pe Geraldo Raimundo Pereira


Revendo nossa história... Olhando os caminhos percorridos pela evangelização, percebemos variadas formas de anúncio da Boa Nova. Nesta caminhada a Catequese sempre esteve presente na educação da fé. Os tempos fizeram a catequese marcar mudanças e neste contexto podemos observar quatro fases com características próprias.

1º CATEQUESE - INICIAÇÃO À FÉ E À VIDA COMUNITÁRIA (tempo dos apóstolos)
Foi o período do anúncio do evangelho feito pelos apóstolos. Despertava para o seguimento de Jesus Cristo, como processo de conversão; vivência fraterna na comunidade; celebração litúrgica centrada na partilha da Palavra e do Pão e no cuidado com a vida de todos os necessitados. Era uma catequese que conjugava a vida com a experiência de fé.

2º CATEQUESE - IMERSÃO NA CRISTANDADE (mais ou menos do século V ao séc. XVI)
Toda a pessoa que nascia nesta sociedade já mergulhava na vida cristã. Não existia outra prática de fé reconhecida, senão a religião cristão. Aquilo tudo contribuía para a vivência religiosa: costumes, arte, música, devoções... A pergunta principal era: O que devo fazer para alcançar a vida eterna?

* A fé estava ligada aos deveres cristãos;
* vivência cristã individualista e pouco comunitária;
* a catequese deixa de ser voltada à Palavra de Deus e perde sua força missionária;
* a vida cotidiana se mistura com a fé, porém sem muito compromisso transformador;
* o Batismo de crianças se generaliza e a catequese de adultos deixa de existir;
* a família, a pregação, a oração... eram responsáveis pela catequese. 

3º CATEQUESE POR INSTRUÇÃO (A partir do séc. XVI até o Vaticano II).
O cristianismo desse tempo se tornou enfraquecido, frente a uma vivência de fé sobre atos secundários: devoções, confrarias, procissões e sustentada por uma ignorância religiosa. Foi, também, um tempo de grandes acontecimentos como: a Reforma Protestante, Concílio de Trento, descoberta da imprensa, ocupação das terras latino-americanas, difusão das escolas, mudanças no modo de pensar,...

Para fazer frente às exigências desse tempo, a catequese utilizava-se do catecismo, que se tornou o principal instrumento da difusão da fé. A catequese passou a chamar-se de doutrina. Assim a catequese sai da família e da igreja para ir ao meio escolar, como ensino obrigatório.
1. O melhor cristão era aquele que mais sabia sobre religião e não aquele que se comprometia com a vida e a vivência da fé.
2. A atenção era dada as crianças e não aos adultos.
3. O importante era a fidelidade às fórmulas valorizando a exatidão e a clareza do ensino doutrinal. 
4. O catecismo tornou-se um referencial de segurança sobre as questões de fé.

4º CATEQUESE - EDUCAÇÃO PARA A FÉ E A VIDA (A partir do Vaticano II até os nossos dias)
Frente a uma Catequese racional, fria, abstrata, centrada nas fórmulas, era preciso voltar às fontes e apresenta-la com um novo rosto adequado para os nossos tempos. Com o Vaticano II, a Igreja abre suas portas para o novo e renova sua presença no mundo como sinal do Reino.

Em 1983, no Brasil, a catequese ganha um grande impulso com o documento da CNBB n.º 26 “Catequese Renovada”, Orientações e conteúdos. Nele se define a prática catequética: “A catequese é um processo de educação comunitária, permanente, progressiva, ordenada, orgânica e sistemática da Fé”.


Sua finalidade é a maturidade da fé, num compromisso pessoal e comunitário de libertação integral, que deve acontecer já aqui e culminar no Reino definitivo (CR 318). Suas características principais:
· Leva em consideração a pessoa e a comunidade;

· A Bíblia é o livro fonte;
· O adulto é o principal destinatário;
· Centralizada no segmento de Jesus Cristo;
· Privilegia a opção pelos pobres.

A catequese é elemento fundamental e constitutivo da Igreja e, portanto, para toda a Igreja e para todos (DGC 218).

O EUNUCO ETÍOPE (At 8,26-40) E A NOSSA ESCOLA DE CATEQUESE
O eunuco etíope é um homem cujo nome nós não sabemos. Sua conversão abrange quinze versos da Escritura e nunca mais é mencionado. Contudo, por causa dos detalhes revelados sobre a sua salvação, é um homem muito importante. Um eunuco era um escravo, preparado desde a infância ou juventude para ser um servo por toda sua vida. Este eunuco era o tesoureiro da Etiópia, uma posição de prestígio, sob o reinado da rainha Candace. Era certamente um homem bem educado e também muito religioso, pois viajou centenas de milhas através de montanhas e desertos para adorar em Jerusalém. Apesar de ter adorado na mais solene cerimônia judaica do ano, seu coração estava vazio e destituído de paz, sentando-se em sua carruagem, procurou as Escrituras em busca de um raio de esperança para sua pobre alma perdida.

Claro que foi Deus quem fez o sentir seu coração vazio e lhe mostrou que tinha uma necessidade profunda. Sem dúvida o eunuco sentiu sua profunda de encontrar-se como pessoa. O episódio do encontro de Filipe com o eunuco etíope, narrado pelos Atos dos Apóstolos, começa mostrando um primeiro passo importante que é a necessidade de “conhecer” a Sagrada Escritura e “interpretar a Palavra”. Percebe-se claramente no texto que o eunuco quis conhecer a Sagrada Escritura e Filipe foi chamado a interpretá-la. 

Quando Felipe foi até o eunuco, encontrou-o lendo o livro de Isaías, capítulo 53. Perguntou-lhe se entendia e o eunuco admitiu que precisava de alguém para auxiliá-lo em explicar o texto. É isso que é catequizar. Felipe subiu em sua carruagem e, a partir daquele capítulo mesmo, anunciou-lhe Jesus. 

A sagrada Escritura é o livro por excelência do catequista, portanto se faz necessário que o catequista descubra a revelação de Deus. Neste encontro do eunuco com Felipe, nasce o rosto de nossa escola. Ela começa a surgir como caminho para o conhecimento.

Conhecer e interpretar a Palavra de Deus, buscar os ensinamentos da Igreja, a pessoa humana e suas dimensões, isto é, descobrir-se como pessoa capaz do ser, do saber e do saber-fazer. 

O episódio do encontro de Filipe com o eunuco etíope, estabelece, a partir do anuncio de Jesus, a comunhão com Ele, a partir da oração com a Palavra. 

Narra-se: Então Filipe começou a falar e, partindo dessa passagem da Escritura, anunciou-lhe Jesus. Eles prosseguiram o caminho e chegaram a um lugar onde havia água. Então o eunuco disse a Filipe: ‘Aqui temos água. Que impede que eu seja batizado? ’. Os dois desceram para a água e Filipe batizou o eunuco (At, 8,35-38).

O texto apresenta claramente que graças à interpretação da Sagrada Escritura feita por Filipe, a Palavra leva o etíope à sua adesão de fé em Jesus Cristo; conhece e interpreta o texto de tal modo que o guia ao encontro pessoal com Jesus Cristo, enquanto Palavra salvadora de Deus; celebra a fé, recebendo o Batismo, tornando possível a alegria da salvação.

Seguindo os passos da Animação Bíblica da Pastoral que “é ajudar a perceber e vivenciar a revelação do mistério de Deus e do homem (Palavra de Deus), presente na Sagrada Escritura, mediante a comunhão e o diálogo permanente com o próprio Jesus Cristo, a revelação divina em plenitude”, nossa escola vai ganhando agora um corpo. 

“Na base de toda a espiritualidade cristã autêntica e viva, está a Palavra de Deus anunciada, acolhida, celebrada e meditada na Igreja” (VD 121).


A escola de catequese do nosso regional precisa de uma marca, um rosto, assim como acontece com organizações bastantes serias. Veja bem, o que não tem rosto, não tem identidade, não tem fisionomia. Não é mania nem fanatismo, é um recurso bem humano de dar rosto ao que fazemos. Nossa escola precisa marcar, fincar-se no chão da historia da catequese, precisa entusiasmar, numa linguagem bem popular, precisa “causar”. Sabe porque? Ninguém se entusiasma por uma coisa que não tem rosto, uma fisionomia.

Mística da escola de catequese não tem muito a ver com sentido espiritualista ou contemplativo de Deus, de seu mistério, mas no sentido de Espírito que anima o projeto de vida, pessoal ou grupal. Essa mística determina os objetivos, os princípios, a metodologia, as relações humanas de nossa escola regional. É ele que aponta a direção para onde se caminha. É a mística que ajuda a atingir com segurança o objetivo traçado pela escola.


O que pretendemos com esta escola? Ser um caminho formativo do discípulo missionário. O catequista é um discípulo missionário. Olhando para o texto de Felipe e o eunuco etíope (At 8,26-40), percebemos claramente que Felipe é a figura do catequista e o eunuco, alguém em busca do encontro com Deus. Felipe anuncia Jesus, a Palavra de Deus ganha voz em Felipe. É Deus quem fala na nossa voz. Sabe por que isso acontece? Porque o verdadeiro Catequista tem: 

· Na cabeça a fé no valor da dignidade humana.
· Nos olhos: A capacidade de enxergar a presença de Deus na realidade.
· Nos ouvidos: A escuta respeitosa e atenta.
· Na boca: O sorriso da alegria e da esperança.
· Nas mãos: A disponibilidade solidária e a partilha generosa.
· Nos pés: A coragem de desinstalar-se e sair, por fidelidade ao Evangelho.
· No coração: O amor e o compromisso pela vida, adesão e seguimento a Cristo vivo.

Podemos dizer que encontramos a nossa mística, o nosso rosto. Temos um texto bíblico para nos iluminar, um objetivo para ser alcançado e um lema para seguir. Veja como fica a nossa marca, o nosso rosto:

Tema: Caminho para o Discipulado Missionário
Lema: Fala Senhor na nossa voz. (At 8, 26-40).

Vamos assumir esta mística, ela é a luz que iluminará toda caminhada de formação. A mística vivida em comunidade desperta entusiasmo e capacidade para superar as barreiras. Ela une forças, sem anular as pessoas e os projetos pessoais válidos. A mística deve marcar a escola, os catequistas e os professores.

Vamos cantar: 
a)        Ref.: Aleluia, aleluia, aleluia! Jesus Cristo vai falar! Aleluia, aleluia! Ide pelo mundo o Evangelho anunciar! Mas como invocarão aquele em quem não creram, E como podem crer se ainda não ouviram, 
E como podem ouvir se não houver quem pregue, E como pregarão se não forem enviados? 

b)      Vejam, fui além das fronteiras, espalhei boa-nova: todos filhos de Deus ! Vida, não se deixe nas beiras, quem quiser maior prova: venha ser um dos meus! 
Ref.: Por onde formos também nós que brilhe a tua luz! Fala Senhor na nossa voz, em nossa vida. Nosso caminho então conduz, queremos ser assim! Que o pão da vida nos revigore no nosso "sim". 

 Que o Senhor da vida, realize em nós o milagre da multiplicação de nossos esforços no serviço da Catequese.

Vamos concluir este momento com esta oração, fazendo seu um dos símbolos.
Senhor faça de mim um catequista:
• Agua: que faz crescer a vida, através de tua Palavra;
• Ponte: capaz de unir distâncias, separações, desencontros, desafetos, trazendo alegria no viver.
• Caminho: que aponta para mais esperança, coragem e confiança diante dos desafios da sociedade.
• Porta: que abre passagens para os excluídos encontrarem mais dignidade;
• Luz: capaz de iluminar as situações humanas, para descobrir nelas o teu rosto;
• Sal: que possa dar gosto e sabor a todos os chamados da catequese;
• Perfume: capaz de exalar a ternura, a bondade, a amizade, nos diversos ambientes de convivência;

Minha alma tem sede de Deus e deseja o Deus vivo. (Sl 41,3) - Assim como o povo de Deus no deserto, experimentou a provação, particularmente da sede. Jesus nos convida a saciarmos com água viva.


Todos nós cristãos somos chamados a transformar o mundo. Ser luz, ser sinal de vida, de esperança e apontar para Cristo que salva a todos.
TU ÉS A LUZ, SENHOR, DO MEU ANDAR, SENHOR, DO MEU LUTAR, SENHOR, FORÇA NO MEU SOFRER. EM TUAS MÃOS, SENHOR, QUERO VIVER.
A luz é a Ressurreição de Jesus. Assim deve o catequista que crê em Jesus Cristo e continua sua missão: ser luz para iluminar e orientar. É preciso, pois, no mundo urbanizado, retomar a vivência comunitária, característica fundamental da primeira Igreja. É lá que brilha a nossa luz.


Como catequistas, uma vez seduzidos por tão grande amor, não podemos ficar parados, quietos. Somos convidados a carregar nossa cruz e seguir os passos do Mestre. Dizer-se cristão é assumir como projeto de vida o que Jesus fez e viveu. Configurar-se com o Mestre não é fácil, é por isso que Ele mesmo nos diz:
“Se alguém quer me seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e me siga” (Mt 16,24). 


Eu sou o caminho, a verdade e a vida!
Caminhar é ir em busca de metas, prever um fim, uma chegada. O catequista é alguém que caminha e ajuda outros a mover-se na construção de um mundo mais humano e cristão. 
Se caminhar é preciso, caminharemos unidos, e nossa voz no deserto fará brotar novas fontes. E a nova vida na terra será antevista nas festas. É Deus que está entre nós em esperança solidária.




Bibliografia

Bíblia de Jerusalém - revista e atualizada- São Paulo: Paulus, 2002.
PAPA BENTO XVI. Exortação Apostólica Verbum Domini - São Paulo: Paulinas 2010.
CNBB Doc. 26 - Catequese Renovada –orientação e conteúdo – 1983.
CONGREGAÇÃO PARA O CLERO - Diretório Geral para a catequese - 5ª ed. - São Paulo: Paulinas, 2009.
CNBB Doc. 84 - Diretório Nacional de Catequese - 10ª ed. - São Paulo: Paulinas, 2011.
CNBB Doc. 50 - Formação dos Catequistas. Paulinas, São Paulo 1990.
CNBB Doc. 95- Ministério do Catequista. 2 ed. São Paulo: Paulus, 2008
CNBB Doc. Instrumento de estudo, Escolas Catequéticas- Orientações.apostila-pp 6-7. 2012
CADERNOS CATEQUÉTICOS. “Espiritualidade do Catequista”. São Paulo: Palcos, 1998.
DIOCESE DE OSASCO. Espiritualidade do Catequista: caminho, formação, vida na missão catequética. São Paulo: Paulus.
CRUZ, Terezinha Motta Lima. Este Mundo de Deus: educar para a espiritualidade do cotidiano. São Paulo: Paulus, 1999.

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Encerramento do 1º Simpósio da Animação Bíblico da Pastoral



Caros irmãos e irmãs!

Chegamos ao final do 1º Simpósio de Animação Bíblica da Pastoral, reunindo 122 participantes, vindos de 31 dioceses de nosso Regional Sul I. Com alegria fomos acolhidos e, aos poucos, o grupo foi crescendo e tornando esta casa mais bonita e aquecida por corações tocados e renovados com a escuta orante da Palavra de Deus e Deus habita este lugar.
Contamos com a presença amiga, generosa e valiosa de 3 assessores: Pe. Boris Augustin Nef Ulloa, Dom Leonardo Ulrich Steiner e Pe. Jânison de Sá Santos. Eles nos convidaram à feliz experiência de abrir os ouvidos, os olhos e o coração para a Palavra de Deus: voz do amor, que nos convida para a missão de viver e anunciar o verdadeiro Amor que se aproximou de nós e se apresentou com o nome Jesus.
Saímos daqui com a certeza de que Deus não desisti de nós.
Quero agradecer a Dom Vilson Dias de Oliveira, Bispo Presidente da Animação Bíblico Catequética do Regional Sul I, por sua presença e apoio, acolhendo e acompanhando as atividades da Equipe de Coordenação da Animação Bíblico Catequética no Regional Sul I
( nosso muito obrigado!).
Agradeço também aos membros da Equipe de Coordenação que deram uma visível e valiosa contribuição para a realização desse evento ( muito obrigado!).
Aos nosso parceiros: Editora Vozes, Paulinas e Loyola, muito obrigado!
Por fim, quero bendizer a Deus pela vida e participação de cada um de vocês ( muito obrigado!).
Se realizamos o 1º Simpósio, abrimos as portas para outras iniciativas... pois, depois do 1º poderão acontecer outros mais.
Muito obrigado a todos! Deus habite o coração de cada um.
Padre Paulo César Gil
Coordenador da Animação Bíblico Catequética Regional Sul 1


“Naquele que guarda a sua palavra, o amor de Deus é plenamente realizado” 1Jo 2, 5

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Nota de Falecimento de Dom Antonio Maria Mucciolo



 É com profundo pesar e em comunhão de fé e esperança no Cristo Ressuscitado, que a Arquidiocese de Sant’Ana de Botucatu comunica o falecimento, aos oitenta e nove anos de idade, de DOM ANTONIO MARIA MUCCIOLO, Arcebispo Emérito de Botucatu,  ocorrido no dia, 29 de setembro de 2012, às 13h30, na UTI do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo (SP).

Seu lema episcopal “Sentir com a Igreja” foi de fato a síntese de sua vida, totalmente dedicada a Deus e a Igreja, não só particular, mas a Igreja do Brasil, e a Arquidiocese de Botucatu agradece a Deus por nos ter dado um tão grande e fiel servidor do Reino de Cristo!
   

Biografia
Dom Antonio Maria Mucciolo nasceu em 01 de maio de 1923, na cidade Castel San Lorenzo na Itália. Seus pais: Francisco Mucciolo e Dona Angelina Passaro, vieram para o Brasil em 1924 com Antonio ainda pequeno, tinha apenas um ano.
A família saiu do país de origem devido a uma ameaça de guerra, inicialmente moraram em São Paulo, e pouco tempo depois mudaram para Sorocaba.
Desde pequeno Dom Antonio mostrava interesse pela igreja e ingressou na vida religiosa ainda criança. Foi coroinha na Catedral da cidade, tendo como seu mentor o Padre André Sobrinho, este que o acompanhou, inspirou e ajudou o pequeno Antonio.
Sentindo o chamado para sacerdócio, recebeu a orientação do Monsenhor Francisco Antônio Cangro e do congregado Mariano da Paróquia São Rafael e Catedral de Sorocaba.
Dom José Carlos do Aguirre, 1º Bispo de Sorocaba, matriculou-o no Seminário de Botucatu, onde estudou de 02 de fevereiro de 1937 a 10 de dezembro de 1939, cursando o ginásio. Seu Reitor, por três anos, foi Dom José Melhado Campos.
Em1940, foi transferido para o Seminário de Sorocaba que abria suas portas naquele ano. Ali, terminou seu curso ginasial, sob o orientador de Monsenhor Luiz Castanho de Almeida. Em seguida, no Seminário maior do Ipiranga, em São Paulo, estudou por 7 anos, cursando filosofia (3 anos) e teologia (4 anos).
Dom Antonio recebeu sua ordenação no dia 04 de novembro de 1934, e sua primeira nomeação foi para o cargo de Vigário Cooperador da Catedral de Sorocaba.
Foi eleito Bispo de Barretos/SP em 1º de junho de 1977. A Ordenação Episcopal se deu em 15 de agosto de 1977, na Catedral de Sorocaba, pelo então Núncio Apostólico D. Carmine Rocco. Tomou posse da Diocese de Barretos em 03 de setembro de 1977. Seu lema sacerdotal era: “Sentire cum Ecclesia” (Sentir com a Igreja).
Ao chegar a Barretos, sentiu em seu coração um desejo de um lugar reservado para oração. Foi então, que idealizou a construção de um Seminário para formar os novos Sacerdotes, uma casa de encontros e um centro de espiritualidade. Com a ajuda de fieis dispostos em proclamar a boa nova nasceu a “Cidade de Maria”. Dom Antonio permaneceu na Diocese de Barretos por 12 anos.
Foi nomeado Arcebispo Metropolitano de Botucatu/SP pelo Papa João Paulo ll em 28 de junho de 1989. Tomou posse no dia 9 de setembro de 1989. Seu trabalho episcopal destacou-se pelas vistas pastorais às paróquias da Arquidiocese; construiu para o clero em Botucatu, a “CASA CURA D’ARS”; Colocou no ar a REDE VIDA de televisão; criou sete novas paróquias na Arquidiocese; organizou e incentivou todo o trabalho pastoral na Arquidiocese, destacando-se a atenção e o zelo na formação dos novos padres. Trabalhou para criação da nova Diocese de Ourinhos - desmembrando-a da de Botucatu.

Renunciou ao governo da Arquidiocese de Botucatu, por limite de idade em 07 de junho de 2000.
Como Arcebispo Emérito não parou, dedicou-se de corpo e alma a Evangelização através da Rede vida de Televisão. Foi presidente do Instituto Brasileiro de Comunicação Cristã (INBRAC) e toda semana apresentava o programa “Frente a gente”
Que Dom Mucciolo receba agora no Céu a recompensa de todo seu trabalho e doação a favor do Reino de Deus.

Em Cristo Ressuscitado

Botucatu, 29 de setembro de 2012.




sábado, 29 de setembro de 2012

ACONTECE...

Está acontecendo na Casa de Formação  Santa Fé-Anhanguera-SP, o 1º Simpósio da Animação Bíblica da Pastoral Sul1-CNBB, destinado à catequistas, seminaristas, sacerdotes,  religiosos e agentes de pastorais.
Na parte da manhã, a 1ª conferência  foi assessorado por Padre Boris Agustin Nef Ulloa, com o tema: "O conhecimento da Palavra de Deus para a animação Bíblica da Pastoral", tendo como referência o documento PONTIFÍCIA Comissão Bíblica. Povo Judeu e suas Sagradas Escrituras na Bíblia Cristã.


No período da tarde, a 2ª conferência foi proferida por Dom Leonardo Ulrich Steiner – Secretario Geral da CNBB com o tema: “Contemplar a Palavra que dá sentido a vida dos discípulos missionários de Jesus Cristo”.


Conferimos o vídeo do 1º Congresso Brasileiro da Animação Bíblica da Pastoral em Goiânia, que aconteceu em outubro de 2011, para que pudéssemos entender o porque da Animação Bíblico da Pastoral.



"A bíblia, durante muito tempo, ficou distante das mãos dos católicos. Há hoje uma maior aproximação dela, um maior respeito, amor, fome e sede. Mas temos muito ainda para caminhar. A palavra “animação” é muito importante, principalmente motivando, nos agentes pastorais, a leitura da Sagrada Escritura.
Tivemos algumas marcas de incentivo para o valor do texto sagrado nos últimos tempos. No Concílio Vaticano II houve o destaque da “Dei Verbum”, mostrando o valor da inspiração bíblica e a importância da Palavra em nossa vida. Esse documento convocou toda a Igreja para retomar a leitura e a prática da Palavra de Deus.
Quando falamos de animação bíblica da pastoral, estamos preocupados com o vigor da animação, da força da Palavra de Deus e dos frutos que as pastorais devem produzir. É sinal de que não podemos ficar em apenas discursos religiosos, mas perceber as exigências concretas do povo de Deus deste tempo.
Enfim, só teremos pastorais pertinentes se criarmos intimidade com a Palavra, com Jesus Cristo ressuscitado e vivo em nosso meio. Isto cria relações afetivas, comprometidas e atuantes, transformando os corações e as mentes das pessoas. Com isto as pastorais não serão de compromisso só dos pastores, mas de todo o povo da comunidade cristã.
Dom Paulo"(Dom Paulo Mendes)

Saudações de Dom Vilson aos participantes do 1º Simpósio de Animação Bíblico da Pastoral


Quero saudar a todos os irmãos e irmãs, presbíteros, religiosas/os, diáconos, leigos/as, seminaristas, assessores/as vindos a este Simpósio de Animação Bíblica da Pastoral, organizado e articulado pela Comissão de Bíblia e Catequese do nosso querido Regional Sul 1 da CNBB, de 28 a 30 de setembro de 2012, na grande metrópole de São Paulo.

Em nosso Brasil, com grande criatividade, multiplicaram-se experiências de serviço missionário sustentadas pela Palavra. Muitas comunidades conservaram-se vivas e dinâmicas alimentadas somente pela Palavra. O Espírito Santo sustentou toda esta vitalidade. O que se propõe a seguir são linhas de ação orientadas a um novo passo: a animação bíblica de toda a pastoral.

Primeiramente é preciso reconhecer que os interlocutores da ação pastoral são sujeitos e não somente destinatários. De fato, não recebem a Palavra para guardá-la para si mesmos, mas para anunciá-la (cf. Is 50,4). Como recorda o Senhor: “O que vos digo na escuridão, dizei-o à luz do dia; o que escutais ao pé do ouvido, proclamai-o sobre os telhados” (Mt 10,27). Sendo assim, interlocutores da animação bíblica da pastoral são todos os membros do Povo de Deus: os leigos, enquanto presença da Palavra de Deus em forma de “fermento na massa”; os consagrados enquanto presença da Palavra de Deus na vivência dos conselhos evangélicos; os ministros ordenados enquanto presença da Palavra de Deus no exercício do tríplice múnus de ensinar, santificar e governar. Todos os membros do Povo de Deus, no entanto, são chamados a dar testemunho de acolhida e vivência da Palavra.

Para acontecer uma animação bíblica da pastoral indicamos que se crie alguns espaços importantes tais como: Comissões, com uma organização funcional, que ofereçam uma rede de serviços e ajudas práticas, facilitando a efetiva animação bíblica da pastoral; Equipes de assessoria da animação bíblica da pastoral; e Formação bíblica permanente (no tempo), sistemática (no currículo) e profunda (nos conteúdos) para assessores e multiplicadores da animação bíblica da pastoral.

 No Eixo da Formação: a animação bíblica da pastoral, enquanto Caminho de Conhecimento e Interpretação da Palavra, encontra na catequese seu espaço vivencial, pois “a atividade catequética implica sempre abeirar-se das Escrituras na fé e na Tradição da Igreja, de modo que aquelas palavras sejam sentidas vivas, como Cristo está vivo hoje, onde duas ou três pessoas se reúnem em seu nome (cf. Mt 18,20). A catequese deve comunicar com vitalidade a História da Salvação e os conteúdos da fé da Igreja, para que cada fiel reconheça que sua vida pessoal pertence àquela história”.[1]

 No Eixo da oração: A animação bíblica da pastoral, enquanto Caminho de Oração com a Palavra e Comunhão, encontra na liturgia seu lugar privilegiado, em que Deus continua hoje a se comunicar com seu povo que escuta e responde. Cada ação litúrgica, por sua própria natureza, está impregnada da Sagrada Escritura. Nela “a Palavra de Deus é celebrada como palavra atual e viva”.[2]

 No eixo do anúncio: A animação bíblica da pastoral, enquanto Caminho de Evangelização e Proclamação da Palavra, nos impulsiona à caridade (cf. 2 Cor 5,14). “A missão da Igreja não pode ser considerada como realidade facultativa ou suplementar da vida eclesial. (...) É a própria Palavra que nos impele para os irmãos: é a Palavra que ilumina, purifica, converte; nós somos apenas servidores. Por isso, é necessário descobrir cada vez mais a urgência e a beleza de anunciar a Palavra para a vinda do Reino de Deus. (...) Não se trata de anunciar uma palavra anestesiante, mas desinstaladora que chama à conversão, que torna acessível o encontro com Ele, através do qual floresce uma humanidade nova”.[3]

No início deste nosso Simpósio recordaria que o Sínodo sobre a Palavra e a Verbum Domini constituem um novo Pentecostes para a Igreja. Que assim aconteça, também, com a acolhida e a prática deste Documento. Nossos bispos nos exortam para que estas linhas de ação influam eficazmente na vida e na missão da Igreja, particularmente na Catequese, na Liturgia e no Testemunho da caridade, contribuindo, assim, para a vivência profunda da Fé, pois sabemos que a “Igreja funda-se sobre a Palavra de Deus, nasce e vive dela”.[4]

Somos, na verdade, consagrados e enviados para anunciar a todos a Palavra que é Cristo. Tendo-a escutado, respondamos “com a obediência da fé” (cf. Rm 1,5; 16,26) e “o ouvido do coração”,[5] a fim de que as nossas palavras, opções e atitudes “sejam cada vez mais uma transparência, um anúncio e um testemunho do Evangelho”,[6] e vivamos por Ele (cf. 1Jo 4,9).

Temos uma Boa Nova para anunciar ao mundo de hoje: a Palavra de Deus, Jesus Cristo, que está presente entre nós. Ele é mensagem de salvação e de vida. Com São Paulo, não queremos saber nem pregar outra coisa, a não ser Jesus Cristo, para nós sabedoria e poder de Deus (cf. 1Cor 2,2).

Que a intercessão de Maria, modelo de quem viveu a plena obediência da fé e escutou com o ouvido do coração. Ela é o ícone perfeito da fé bíblica, da escuta e do acolhimento generoso e disponível à vontade do Senhor. “A sua fé obediente face à iniciativa de Deus plasma cada instante da sua vida. Virgem à escuta, vive em plena sintonia com a Palavra divina”.[7] Ela teve a vida totalmente modelada pela Palavra.

Que este 1º. Simpósio de animação Bíblica da Pastoral, que declaro aberto nesta noite do dia 28 de setembro de 2012, traga a todos nós, participantes deste evento, luzes de Deus, no sentido de abraçarmos ainda mais a Palavra de Deus em nossa vida e em nossas comunidades espalhadas em nossas dioceses e em nosso Regional. Bom Simpósio e felicidades a todos e todas.
Dom Vilson Dias de Oliveira, DC
Bispo Referencial da Comissão para a Animação Bíblico-Catequética – CNBB/Sul 1




[1] VD 74.
[2] VD 52.
[3] VD 93 (cf. 90-98).
[4] Cf. VD 3.
[5] RB Prólogo,1.
[6] Cf. PDV 26.
[7] VD 27.

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Abertura do I Simpósio da Animação Bíblica da Pastoral SUL1-CNBB


BRASÍLIA, 27 de setembro 2012

Saudações Fraternas!

        A Comissão de Animação Bíblico Catequética da CNBB vem cumprimentar o Regional Sul I, pelo louvável esforço de levar adiante a reflexão da Animação Bíblia da Pastoral, incentivada pelo Iº Congresso Nacional de ABP de Goiânia/2011 e pelos recentes documentos da Igreja, em especial o Doc. 97: Discípulos e Servidores da Palavra de Deus na Missão da Igreja”. Este Simpósio representa a concretização desse esforço.
       Alegramo-nos profundamente, ao perceber que os regionais, de formas variadas, estão assumindo com grande dedicação e entusiasmo a divulgação, conhecimento e prática da Palavra de Deus em toda a ação evangelizadora.
       Desejamos que este Simpósio seja para cada participante uma experiência profunda com a PALAVRA para se transformar depois em energia nova e contagiante na ação pastoral, reforçando seu protagonismo na construção do Reino, pois “naquele que guarda a PALAVRA, o amor de Deus é plenamente realizado” ( 1 Jo. 2,5 ).
       Devido a nossa intensa programação, embora convidados, não podemos participar desse significativo evento. Mas queremos expressar, por esse meio, nossa admiração e apreço por essa iniciativa que fará o Caminho da Palavra avançar neste Regional. Todo nosso apoio!

QUE DEUS ABENÇOE A COORDENAÃO, ASSESSORES E PARTICIPANTES!

Em nome de Comissão de Animação Bíblico Catequética: Pe. Décio J. Walker - assessor

          

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Queridos catequistas, amigos e amigas de caminhada!


Com alegria podemos dispor de um instrumento tão necessário para a nossa comunicação. Esse blog para a Animação Bíblico-Catequética em nosso Regional chegou em boa hora. Por ele, podemos estreitar os laços de amizade e co-responsabilidade em nossa missão; podemos alargar o coração com alegria e esperança para partilhar os projetos e atividades de nossas dioceses e ficar por dentro de tudo o que acontece. Convido a todos para esse mutirão de comunicação e celebração de nossas conquistas catequéticas. 
Um grande abraço! Pe. Paulo Gil

terça-feira, 11 de setembro de 2012

TEMPO DE APROFUNDAR O CONHECIMENTO DA PALAVRA DE DEUS



Dom Orani Tempesta reflete sobre o mês da Bíblia

Desde 1971, o mês de setembro na Igreja do Brasil é o quando se enfatiza e se busca aprofundar ainda mais nossa relação com a Palavra de Deus, a Bíblia. Porém, não significa dizer que a Bíblia deva ser lida ou aprofundada apenas nesse período. Ela é um livro de cabeceira, deve estar presente em todos os momentos de nosso dia, orientando-nos, formando-nos, transformando-nos. Ela é luz para o nosso caminhar. Este mês, portanto, é um esforço comum de nossas paróquias e dioceses de aprofundarem juntos algum tema ou livro da Palavra de Deus, útil para nosso crescimento comunitário e pessoal, em vista da comunidade cristã que queremos ser.

A palavra Bíblia é que dá origem à palavra biblioteca, e expressa a realidade de ser o texto sagrado um "conjunto de livros". Ler a Palavra de Deus é uma expressão coerente de nosso caminho, que busca encontrar e fincar raízes na fé e na construção ativa do Reino de Deus. Somos convocados a uma experiência maior e mais profunda com Cristo, Palavra eterna do Pai, na comunidade, na família, na sociedade.

Por que o mês de setembro foi o mês escolhido para o aprofundamento da Palavra de Deus? Devido à celebração do dia de São Jerônimo, no dia 30. Ele viveu por volta do ano de 340 e foi a ele confiada, pelo Papa Damaso, a tradução latina da Sagrada Escritura. Essa tradução da Palavra para o latim ficou conhecida como a bíblia "Vulgata", que significa "popular". Essa tradução foi tão rica e significativa que é usada até hoje em muitas traduções da Bíblia.

Uma das frases mais célebres de São Jerônimo foi: "Desconhecer as Escrituras é desconhecer a Cristo". Uma frase fundamental para nós cristãos que buscamos conhecer, contemplar e seguir a Palavra de Deus contida nas linhas sagradas dos textos bíblicos. Ninguém ama aquilo que não conhece. Portanto, seria impensável imaginar alguém que se diga cristão, mas não busque conhecer e aprofundar a Palavra de Deus. Como chegar ao conhecimento da Revelação e de sua plenitudeem Jesus Cristose desconhecemos sua Palavra e ensinamentos, ordens e ações?
    
Muitas são as possibilidades oferecidas pela Igreja para aprofundarmos nosso conhecimento da Palavra de Deus. Eles vão desde os estudos filosófico-teológicos, que buscam investigar o máximo possível toda a riqueza e significados que o texto nos pode proporcionar, seja pela Exegese, pela Hermenêutica, ou ainda pelas outras disciplinas bíblicas oferecidas nos institutos filosófico-teológicos, até os círculos populares bíblicos, grupo de estudo da Palavra, catequese e a leitura orante da Bíblia (lectio divina).

A Bíblia está dividida em duas partes como todos sabem: Antigo e Novo testamento. Ela é composta de 73 livros, sendo 46 livros do Primeiro Testamento e 27 do Segundo Testamento. A leitura constante e assídua da Palavra de Deus vai ajudando aos poucos as pessoas a descobrirem toda a riqueza que ela contém, bem como o bem que ela pode realizar na vida de cada fiel.

A Bíblia trata da nossa salvação. Por isso, dentro dela encontramos muitos assuntos pertinentes e desejados pelo homem na busca constante da verdade, a relação terna e direta com Deus, o rompimento dessa amizade com Deus pelo pecado, a Aliança de Deus com seu povo, a história dos patriarcas e profetas, a encarnação do Verbo Divino, Jesus Cristo, plenitude da história da salvação, a vinda do Espírito Santo em Pentecostes, e se estende até a parusia, no final dos tempos, quando, enfim, todo poder lhe será submetido e então, assentado em trono, Rei Vitorioso, virá uma segunda vez e instaurará definitivamente seu Reino de paz e amor, bondade e justiça, mansidão e misericórdia.

O centro de toda a Escritura se dá em Jesus Cristo, a máxima expressão da revelação e da bondade de Deus, que a todos quer que cheguem ao conhecimento da Verdade, que é Cristo.
Em Jesus se cumprem todas as promessas feitas pelo Pai no Antigo ou Primeiro Testamento aos profetas e a todo o Israel de Deus. Jesus é a plena revelação da vontade do Pai para a salvação dos homens e a construção do Reino. Tudo que Ele faz diz de quem Ele é. Tudo que Ele é, é manifestado nas obras que realiza. Lendo as escrituras encontramos um caminho sólido e seguro no conhecimento da vontade de Deus. Cristo é a Palavra viva de Deus, e todas as palavras do texto sagrado, portanto, têm sentido pleno e definitivo Nele.

Neste ano, o mês da Bíblia quer aprofundar ainda mais o texto do Evangelho de Marcos. O tema sugerido é Discípulos Missionários a partir do Evangelho de Marcos, e o Lema: "Coragem, Levanta-te, Ele te chama!" (Mc 10,49). Nos próximos anos serão estudados os outros três evangelistas. O enfoque será no seguimento de Jesus, proposto nos quatro evangelhos. Este tema reunirá tanto a proposta de Aparecida, que enfatiza o discípulo missionário e a missão continental, como a proposta do Santo Padre, o Papa Bento XVI, sobre a nova evangelização que é o tema do Sínodo dos Bispos no próximo mês.

Que seja esta uma oportunidade para conhecermos melhor a Palavra de Deus, a pessoa de Jesus e a proposta de seu Reino, para construirmos juntos, a partir Dele, novos céus e nova terra, onde todos possamos viver como irmãos na Unidade da Trindade e na diversidade de carismas e ministérios, em torno de um único e verdadeiro Senhor: Jesus Cristo.
Que a Palavra de Cristo continue a iluminar todas as nossas realidades humanas e nos encaminhe para a eternidade feliz, e que Maria, mãe do Verbo encarnado, nos ajude a conceber todos os dias a Palavra de seu Filho que é criadora, nos leva à salvação e à plena realização humana, que é a felicidade, o bem e a verdade contidos na pessoa de Cristo.

† Orani João Tempesta, O. Cist.
  Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ

Fonte: http://www.zenit.org/article-31239?l=portuguese